nota Os 7 melhores guitarristas da história. Concorda?

Por Paulo Severo da Costa

O critério utilizado para eleger os sete guitarristas mais influentes de todos os tempos é esse: influência. Não se trata do mais técnico, ou de quem tenha mais feeling, ou quem faz as melhores caretas – não se trata nem do meu gosto pessoal na verdade. O que foi levado em conta aqui é a ousadia, a criatividade, a influência nas gerações posteriores, e claro, a época em que cada um viveu (ou criou esse novo conceito). Também procurei me ater ao rock n´roll – logo nomes como dos geniais ALLAN HOLDSWORTH e WES MONTGOMERY não aparecem por aqui. Por último vale ressaltar; trata-se de uma lista de apenas sete nomes e a escolha é baseada em listas de publicações internacionais e livros sobre o assunto. Então, lá vai.

7 – TONY IOMMI

No documentário “A Headbanger´s Jouney”, ROB ZOMBIE disse que todo riff de metal sobre a face da terra já tinha sido inventado por TONY IOMMI – segundo ele, todos os outros eram variações daqueles primeiros. Nada mais verdadeiro: com a introdução do trítono feita pelo guitarrista inglês ele não só compôs obras de arte como “Black Sabbath” “Symptom Of The Universe (alguns dizem, o primeiro thrash da história”), “como alimentou” MUSTAINE, KERRY KING, HETFIELD – enfim, você toca heavy metal? Então você também.

6- CHUCK BERRY

Nada mais notório – se não fosse por esse cidadão, essa lista nem existiria. Com influências de T-BONE WALKER, MUDDY WATERS e country music, BERRY criou a primeira indústria de riffs clássicos da história, tocando uma versão turbinada do blues de Chicago – chamado de rock n´roll. Colocando sua guitarra à frente do som, transformou-a em um instrumento solista, fundindo sua incendiária postura de palco a riffs da categoria de “Johnny B. Good” e “Sweet Little Sixteen”. KEITH RICHARDS, PETE TOWNSHEND, JOHN LENNON entre muitos outros, beberam direto dessa fonte.

5 – JEFF BECK

No quesito influência, JEFF BECK fez toda a diferença. Nas várias fases de sua carreira, BECK passeou entre o blues, o fusion e o rock rasgado e visceral com igual maestria. Sua técnica de alavanca e controle manual de volume fez a alegria de STEVE VAI, SATRIANI e companhia. Seu incrível controle dos dedos – ele não usa palheta – é influência notória na abordagem que MARK KNOPFLER (que também resgatou isso de gente do calibre de CHET ATKINS). “Blow By Blow”, seu mais notório trabalho, foi elogiado por todo mundo – de BRIAN MAY a FRANK ZAPPA. Precisa mais?

4 – JIMMY PAGE

“Ele compunha, tocava, produzia as músicas- não consigo pensar em outro guitarrista desde LES PAUL que possa reivindicar algo parecido”. Essa afirmação partiu de JOE PERRY ao resenhar sobre JIMMY PAGE para a Rolling Stone (fevereiro de 2012). PAGE se deu ao luxo de fazer todas as experimentações possíveis em estúdio: slides desgovernados, efeitos em camadas, tocar com arco de violino, etc, etc. Além disso, seus riffs mudaram a história da LES PAUL fazendo gente do gabarito de JOE PERRY, SLASH, JOE BONAMASSA forjar o próprio caminho no instrumento.

3 – RITCHIE BLACKMORE

Quando fiquei sabendo que o SLAYER tinha começado tocando covers do DEEP PURPLE quase não acreditei. Essa é a grande característica dos gênios: fornecer a matéria prima para toda “explosão cósmica” que venha depois. BLACKMORE fundiu o blues cru de BUDDY GUY com a técnica clássica, os arpejos, o pensamento modal – tudo o que a gente adora – e construiu um espólio que conta com composições que vão de MALMSTEEN a RANDY RHOADS, de VINNIE MOORE a KIRK HAMMETT. Só.

2 – EDDIE VAN HALEN

Muitos críticos de Rock and Roll não deram bola para “Eruption” no ano de seu lançamento porque acharam que aquilo era um truque de estúdio – tocado por uma máquina ou algo do gênero. Tocando de uma forma quase intuitiva – influenciado fortemente por ERIC CLAPTON – EDDIE subverteu o blues, turbinando-o com tappings, alavancadas radicais e harmônicos artificiais. Contribuiu decisivamente para a criação da ponte Floyd Rose (que todo mundo usa ou usou depois), popularizou o efeito flanger, inventou técnicas de potencialização dos som e eliminação de microfonia e ainda tinha tempo para beber, pegar um monte de mulher e brigar com LEE ROTH nas horas vagas.

1 – JIMI HENDRIX

É provável que daqui a mil anos essa lista continue sendo encabeçada por esse indivíduo. Por quê? Hendrix criou riffs memoráveis( “Highway Chile”, “If Six Was Nine”), colocou a microfonia a seu serviço (“Foxy Lady”), quase quebrou a alavanca no meio (“Star Spangled Banner”- o hino nacional americano!), misturou o rock e o funk (“Crosstown Traffic’), tronou o wah-wah uma marca registrada no rock (“Voodo Child”) fazia solos com ligados, solava com a boca, botou fogo na guitarra – e só viveu vinte e sete anos!!! E morreu há quatro décadas!!!!

Imagem

Mantenha a fonte ao citar o texto: Guitarristas: os sete mais influentes de todos os tempos http://whiplash.net/materias/melhores/158068-tonyiommi.html#ixzz4737fmBQd
Follow us: @Whiplash_Net on Twitter | Whiplash.Net.Rocksite on Facebook

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s